terça-feira, 14 de outubro de 2014

Um texto para te reconquistar.


Literatura no principio não era meu forte, sabe? Eu nasci e cresci um cara das exatas. (Talvez isso explique algumas coisas, mas deixo isso para um outro texto).

Eu sempre curti quadrinhos, na verdade, sempre curti ler de tudo que aparecia na minha frente. Nos anos de ouro da nossa casa, eu tinha assinatura de quadrinhos e outros luxos literários infantis, os quais eu sempre devorava em instantes, assim como tudo. Digo como tudo, porque me foi revelado esses dias que uma das características mais marcantes minhas, desde criança, sempre foi a sede de saber tudo sobre tudo, o “por quê”, o “como”, o “quando”, e, tudo isso o quanto antes. Se eu queria saber algo, queria agora. Se não me contassem, eu descobriria. Se não descobrisse, criava uma teoria complexa o suficiente para explicar o que quer que fosse de maneira convincente. E não mudei quase nada desde então.

Continuando, apesar de sempre ler, muito e muito bem, escrever era uma dificuldade sem fim. Não sei por que cargas d’agua, eu poderia inventar histórias lindas, complexas, grandes, mas, a folha em branco sempre fora um obstáculo quase intransponível. E continuou assim até muito tarde... Até mais ou menos o meu 2ª ano do ensino médio.

Eis que, nesse ano, conheci uma professora (a qual infelizmente não lembro o nome L ) que conseguiu me mostrar a escrita de uma forma diferente. Na verdade, ela começou me mostrando a leitura de uma forma completamente nova. Comecei a ler pessoas que eu entendia profundamente. Comecei a ler textos, que, poderiam ter sido escritos por minha alma, se ela tivesse a oportunidade. E isso mudou tudo.

Lia os autores românticos como quem lê a si mesmo em uma outra vida. Eu não os entendia, eu compreendia cada palavra, estrategicamente posicionada para dar ao leitor uma sensação ou outra. Compreendia cada dor, cada dúvida, cada dialogo, mesmo sendo diálogos que, dadas as transformações e limitações da língua, eu nunca fosse capaz de reproduzir. Mas eu compreendia, eu, no fundo, sabia que eu faria o mesmo, falaria o mesmo, sofreria o mesmo.

E isso me libertou.

A folha em branco deixou de ser um obstáculo e passou a ser um convite. Os pensamentos passaram a se organizar em versos, cadenciados musicalmente de acordo com meu humor, com as sensações que eu sentia e queria fazer meu leitor sentir. O romantismo byroniano me libertou, porque o reflexo no espelho é a melhor forma de tomar consciência de si.

Assim, passei a me compreender pelos olhos românticos. Aprendi a amar assim, a ser assim. Como romântico, não consigo me entregar às metades, sentir ou ser às metades. O meu amor dói (em mim). E queima, machuca, estrangula... Mas vicia. Eu não seria eu se meu amor não fosse assim. Eu não sei amar diferente. Não sei ser diferente.

Ou na verdade sei. Sei não amar, sei existir sem ser eu, ou, existir sem ser seu. Só que isso significa ser sem Ser. ser, sem amar, é ser com “s” minúsculo. E só uso a palavra “ser” por falta de outra que me venha à cabeça, porque sendo sem Ser, é como se não fosse, apenas existisse.

Assim, sem você, eu deixo de ser, e passo a apenas existir. E existir é um sofrimento velado. Sorrio ao mundo, mas, por dentro, estou seco. Não é sangue que corre em minhas veias. É amor.

Quando deixo de ser e existo, o mundo perde a cor, os sabores, o vento deixa de soprar. É como viver todo dia a mesma paisagem.

E quem me conhece bem o sabe.

E o problema maior é: é muito difícil amar. Porque não se escolhe quem se ama, apenas se ama. E amei muito pouco em todos esses anos. E alguns amores, nem sei se amei amando ou se amei fugindo de outros amores. E, quando não consigo amar, tento colorir a vida com outras coisas, intensas mas fugazes. Troco o amor por emoção, o sentimento por sexo, a alegria de te ver pela “entorpência” de uma tragada, pela embriaguez de um copo.

E, pensando bem, esse texto não é para te conquistar, essa foi a ideia que tive quando pensei nele. Mas, relendo, esse texto é para me libertar. E para dizer, que criança que sou, sonhadora que sou, ainda sonho em conhecer a estrela, tocá-la, abraça-la e adormecer em seus braços.

Para finalizar, segue um texto escrito há 3,5 anos:

“Era uma vez um garoto. Camponês. Apaixonado pelas estrelas, pelos céus, pelas grandes viagens e grandes descobertas. Queria conhecer o mundo e por o mundo em suas mãos. Sempre sonhara em ser astronauta, em tocar as estrelas, beijar a lua e ser feliz. Que pena. Na sua nave montada no topo de sua arvore, construída por ele mesmo, desde criança, viajava e conhecia o mundo, as estrelas, as tocava e as amava. Mas, ele gostara tanto daquilo, que sempre se esquecia do que era, de aonde estava e para onde iria. Ele era apenas um camponês. Plebeu. Estava no chão. As estrelas não o amavam e a lua não o queria. Ele nunca havia beijado a lua, e não conhecia o gosto do amor. Seus sonhos eram apenas sonhos. A nave era um sonho. E ele sempre acordava. Chorando, mas acordava.

Eu sou o garoto.
Vocês são as estrelas.
Meu corpo é a arvore.
A nave são meus valores.
E não sei o que é amar.”

Quase 4 anos se passaram. O garoto continua sentado em cima de sua árvore, que cresceu, o garoto cresceu, a nave está mais sólida. E eu ainda não sei o que é amar.

Título: Um texto para (me/te/nos) libertar.
Subtítulo: Um texto para você me conhecer.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Aos que Amo (Ou Sobre Amores Que Amadurecem)

Há séculos este que vos escreve desistiu de falar sobre “o que é o amor”, por assumir que sobre o amor eu nunca sei, no máximo, sobre amor estou sempre aprendendo e desaprendendo. Entretanto, hoje quero falar não sobre “o que é o amor”, mas sobre como são meus amores. Pois bem,

Sou um pensador convicto. Não consigo “não pensar” sobre mil coisas a cada segundo, de vez em quando, nessas mil coisas de cada segundo, uma coisa em especial rouba atenção e uns 10 segundos de pensamentos só pra ela. Numa dessas (pensadas), uma dessas (coisas) me veio à mente: O (meu) Amor Amadurece (e o de alguns também). E pronto, perdi vários segundos com esse pensamento. Como assim o amor amadurece? Explico:

Observando alguns relacionamentos de outras pessoas e os meus, percebi que alguns amores amadurecem, por exemplo, o amor daqueles que me geraram, é um amor adulto, perto de fazer o aniversário de 30 anos, experiente, decidido, convicto. É um amor que já sabe o que quer e o que espera da vida, é um amor que pensa como alguém de 30 anos, começando a trabalhar cada vez mais e fazendo planos para curtir a si mesmo.


Ao pensar nisso me perguntei: “Como vão meus amores?”
Meus amores.
Sou um homem de vários amores.
Amores maduros e recém nascidos,
Amores tão velhos quanto eu,
E amores em fase gestacional.

Tenho amores que nasceram comigo,
São os mais difíceis.
É um amor tão velho que se confunde comigo.
As vezes não sei se sou Eu ou Ele quem fala, quem manda.
Mas é um amor lindo, puro, pleno e aberto.
É amor pra mais de metro.

Tenho amores um pouco mais novos,
Saindo da adolescência,
Que vem chegando à vida adulta de sola,
Brigando com todo mundo e trazendo mais amores para amar.
Amar amores de amores meus, também é amar meus amores.

Tenho amores cachorros,
Que em 1 ano, amadurece 8,
E alguns desses cachorros estão adultos,
São amores crescidos, mas ainda divertidos,
E se eu não puder brincar com eles e lembrá-los do quanto amo,
Eles brincam sozinhos, caçam sozinhos, se cuidam sozinhos.

Tenho amores de gato também,
Aquele amor incógnito,
Sensual, dócil e indomável,
Incontrolável e selvagem.
Aquele amor que quando você quer, corre.
E que quando menos espera, surge se roçando,
Arrepiando e te fazendo arrepiar,
Só pra te lembrar: existo.

Tenho amores bebê,
Engatinhando, aprendendo a cuspir palavras,
Descobrindo o mundo.
São amores gostosos de curtir, brincar,
Mas que não tarda,
É hora de trocar a fralda.
E você sem lembra porque são tão trabalhosos...
Quando sorriem emocionam,
Quando choram te fazem querer sumir...

Tenho amores com síndrome de Benjamin Button,
Na verdade, amores de cachorro e com essa síndrome.
Amores que amadurecem 8 anos em 1,
Que chegam logo aos 40 anos,
E depois começam a ficar jovem de novo...

Tenho amigos amores,
Maduros, jovens e bebês...
Tenho amores amigos.
Amores distantes,
Amores inspiradores...

Tenho muitos amores...
E a cada feliz consigo amar mais amores.

E a melhor parte,
É que os meus amores são mutantes.
Mudam de forma, de sabor,
Muda de lado.
Mas não muda o fato que é amor,
E todo (meu) amor é imortal.



Obrigado a todas e todos que amo. Obrigado por me deixarem amar-lhes.