quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Ainda não pensei em um titulo. Na verdade, nem sei o que vou postar aqui.
Enquanto a página era carregada, pensava.
Decidi hoje, não erroneamente ou tarde demais. Fazer uma revisão desse ano que acabou já há um tempo, mas o outro ano, aquele do “Ano-novo, Vida-nova” só deve começar agora.
Não agora, nesse exato momento, mas por agora... Nos próximos dias...
Hoje, esse momento, é um intervalo no tempo da minha vida, que é um tempo que eu decido como deve ser. Que está bem depois do dia 31 de Dezembro de 2007, e alguns dias antes do começo do próximo ano.
E Nesse “Post-post” (porque “post” no inglês, antes de hífen significa pós, e “post” sozinho vem de postar, manter informado), pretendo colocar um pouco de tudo que foi bom nesse ano, talvez algumas coisas ruins.
Celebrar todas as descobertas que fiz (embora não me lembre de muitas agora). Celebrar todas as mulheres que convivi, que abracei, celebrar bastante as poucas (corajosas) que amei e que me deixaram amá-las... Celebrar as loucuras que fiz, que para minha própria segurança não devem ser postadas aqui. Celebrar os amigos que me acompanharam, minha maturidade de quem completa os 18 anos... (???)?
Celebrar todas as desgraças que enfrentei, afinal, já as enfrentei. E rezar (valha-me Deus),
Que não se repitam, pra poder variar um pouco ao menos nas tristes coisa que enfrento.
Não poderia passar esse “post”, sem celebrar todos os prazeres que tive...
E antes de prosseguir, definir ORGASMO, como o cúmulo de uma sensação boa, do prazer. Não necessariamente do sexo. E pós-definição, celebrar todos os orgasmos que tive nesse ano, agradecer a quem me apontou a beleza do vôo daquele passaro, e o ruído bonito do vento nas arvores daquele lado do rio...
Celebrar todas as vezes que chorei.
Celebrar os amores que tive. E as pessoas que confiaram em mim, e que, por minutos, horas ou meses, dividiram sua vida comigo ou sua saliva.
Celebrar a aqueles que riram das minhas piadas sem graça, que me incentivaram a pular. Pois onde eu via um precipício, era só um pedaço de uma pedra e um pouco de sombra.
Agradecer as broncas que levei. A santa paciência da minha amada Mãe e da minha sempre tão presente família.
Agradecer a todos que gastaram um tempo comigo, um sorriso. Que me ajudaram a nunca desistir. Sem citar nomes, queria ajudar a todos os irmãos que a vida me deu. As mulheres lindas e carentes que me surpreendem com sua singeleza e força. A quem me ofereceu o ombro, e aqueles e aquelas, que choraram em meus ombros.


Bem, enfim...


Enfim, agradeço a todos que dividiram suas vida comigo. Que sonharam ao meu lado, aos que me fizeram sonhar E as que me fizeram sorrir...

sábado, 12 de janeiro de 2008

Como num diário


Da primeira vez que perguntei a alguém o que era um blog me responderam que era como um diário virtual, onde você contava experiências cotidianas e seus amigos podiam compartilhar delas contigo. Depois descobri que nem sempre era assim, mas a idéia continuou me interessando. Hoje vou tentar uma postagem nesse molde.
O tema é velho: Ano Novo. Já se vão doze dias deste, então vou falar deles e principalmente dos trezentos e sessenta e cinco que sobram no comprido ano bi-sexto. Já comecei bem diferente dos anos anteriores: não fiz promessa nenhuma. Fiz projetos pessoais bem estruturados, com etapas e datas definidas. Mamãe ficaria orgulhosa.
Comprei uma briga feia com o diabo, que insiste em não devolver minha alma, mesmo não tendo cumprido sua parte no trato, e uma outra briga muito pior, contra a BrasilTelecom, por cobrança indevida.
Se pudesse pedir alguma coisa pediria uma namorada, mas acho que já estou em dívida com o Todo Poderoso. Já que não posso pedir vou agradecer, que é a maneira mais barata de conseguir o perdão de algumas dívidas.
Agradeço à minha mãe, por ser minha mãe, aos meus amigos por serem meus amigos, e aos meus inimigos por serem todos assim como são. Agradeço às garotas que me quiseram e às que me disseram não. Agradeço a Deus por força do hábito cristão e ao meu próximo pela pouca distância que nos garante a impessoalidade. Agradeço ao Fernando pela oportunidade de postar estas coisas no blog. Agradeço a quem ler por ler e a quem comentar por comentar. Agradeço pelo pão-nosso-de-cada-dia, mas não pelo cobertor-solitário-de-cada-noite. Agradeço a mim por mim mesmo e chega.
Agora no pedaço otimista do texto (não poderia faltar) eu acredito que este ano trará boas surpresas, e não tenho como duvidar, são 31.622.400 segundos novos, exceto os que já se passaram nos últimos doze dias e os aproximadamente 1.800 que desperdicei escrevendo este texto. Como vou passar cerca de 10.540.800 dormindo, outros 9.034.970 trabalhando, mais 1.317.600 comendo, além de uns 439.200 fazendo necessidades básicas, e alguns poucos milhões de segundos em outras futilidades, devem me sobrar quase 8.000.000 de segundos de surpresas em 2008. Tomara que sejam boas!
E já que de muito egoísta não posso desejar aos outros aquilo que não tenho, então não vou ficar aqui desejando paz espiritual, dinheiro, muito amor e sucesso. Desejo somente um ano com novidades e tudo o que de feliz há no novo.



Marcus Pantaleão.